ALE GARATTONI

Mãe da Maria Helena, profissional de branding e apaixonada por moda e beleza! Meu blog é o espaço "hora do recreio" no qual divido dicas, inspirações, apostas no universo das it girls e minha vida primeira pessoa na maternidade.

MH a Bordo

Nos Jardins: endereços que adoro no bairro paulistano

23 de março de 2015

Antes de me mudar para São Paulo, só havia um bairro no qual eu me localizava sozinha por aqui: Jardins. Com suas ruas paralelas e transversais, numa geografia que lembra muito o Rio, este era o único lugar em que eu tinha uma noção de ruas, caminhos, retornos – até hoje, são poucos os bairros nos quais me entendo {sem GPS!} na capital paulistana. Pra completar, nesta época, uns quinze anos atrás, a região da Oscar Freire era “O” lugar. Lojas, restaurantes, tudo se fazia ali. Eu sempre tinha essa como primeira opção para me hospedar e tinha certeza que essa seria minha região quando eu me mudasse pra São Paulo {porque eu sempre soube que um dia viria de vez}.

Mas o destino mudou os planos quando o emprego que me trouxe para a cidade me levou para a rua Amauri. Por conta de distância e praticidade, me instalei no Itaim, me apaixonei por ele e nunca mais cogitei sair. Hoje, acho que não moraria nos Jardins e, admito, passo meses sem nem ir até lá. Mas um recente compromisso assumido na região tem me levado mais a ela e eu estou amando visitar e revisitar alguns dos meus endereços favoritos.

roteiro nos Jardins

ALMOÇO & JANTAR
Quando eu trabalhava na Carta Editorial (que na época era o endereço das redações de Vogue e RG Vogue), descobri com as voguettes da época a Temakeria & Cia, na Oscar Freire quase esquina com Padre João Manuel. Era endereço certo de pelo menos um almoço semanal. Outras escolhas habituais no bairro são, na verdade, filiais que hoje frequento mais no Itaim: Le Vin e Santo Grão começaram suas histórias nos Jardins. Pra completar, meu paraíso de junkie-food – a Lanchonete da Cidade tem a melhor batata rústica do mundo!

COMIDINHAS RÁPIDOS
Não há possibilidade de eu passar pelos Jardins sem bater o ponto no famoso Pão de Queijo da rua Haddock Lobo {quase esquina com alameda Lorena}. Sou, modéstia à parte, especialista nesta iguaria brasileira e posso dizer que o deste lugar é o melhor que já comi. Espere sair uma fornada quentinha, é alegria em forma de alimento! Qu ase ao lado, está o Z Deli, um espacinho minúsculo que hoje é endereço dos hambúrgueres mais fotogênicos do instagram – vale a caloria extra! Andando sem rumo Oscar Freire adentro no meio da tarde? O Purogusto é uma sorveteria charmosa e super central, ótima parada.

SUPERMERCADO DELUXE
À procura de produtos sem glúten, sem lactose, com charme gourmet ou simplesmente aqueles importados difíceis de achar? Programe uma parada estratégica no Santa Luzia, um dos supermercados mais legais da cidade.

HORA DAS COMPRAS
Acho que já comentei que sinto MUITA falta de boas revistarias no Itaim. Pois nos Jardins, isso não é problema. A Prince Books, que durante séculos esteve na Haddock Lobo, se mudou para uma portinha com entrada pela Pracinha Oscar Freire {na altura do número 974} e segue com uma das melhores seleções importadas da cidade. Se a sacola ficar muito pesada – sabemos como são as september issues, né?! –, eles entregam suas compras também em outros bairros! Compras de roupas e acessórios não são um problema por ali. Ao longo de toda a Oscar Freire, você encontra filiais de {quase} todas as marcas. Não deixe de descer até as pararelas rua Sarandi e Vittorio Fasano, entre Bela Cintra e Haddock Lobo: estão ali a NK e a Cris Barros, respectivamente. Para completar a sessão-consumo, a Oscar Freire ganhou uma filial da Zwilling, marca alemã que é o paraíso para quem ama utensílios chiques para cozinha.

MOMENTO-BEAUTÉ
Temos Aesop! Depois de procurar pra cá e pra lá o tal número 540 da Oscar Freire, que há meses era anunciado como a primeira filial da marca australiana por aqui, finalmente vi o letreiro em uma loja ainda com vitrines lacradas. Acredito que deve abrir para o público em breve! Um pouco mais acima, na alameda Tietê, fica o Hair 580, salãozinho de bairro super simples onde faço há anos minha progressiva à moda antiga!

EXTRA, EXTRA…
Cansou da programação? Na altura do número 974, está a já citada Pracinha Oscar Freire: food trucks, wi-fi gratuito, área para descanso e atividades temporárias são um mix para pausas estratégicas nos passeios!

p.s. vai visitar São Paulo pela primeira vez?! Leia também meus posts sobre o Itaim, meu bairro paulistano oficial, aqui e aqui!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

MH a Bordo

No Itaim Bibi: um pouco do que adoro no meu bairro paulista | parte 2

16 de março de 2015

No ano passado, inspirada pelo blog Tem a Ver Comigo (que eu amo, amo, amo e sempre dá dicas sobre o Itaim Bibi!), fiz esta versão com alguns dos meus endereços favoritos no meu bairro paulistano. Mas mais de seis meses de passaram, eu lembrei de favoritos esquecidos na primeira lista, conheci alguns novos e… achei que era hora de fazer a parte 2!

dicas Itaim Bibi

RESTAURANTES & COMIDINHAS
Quem me segue no instagram @alegarattoni já deve ter percebido minha queda por comida japonesa e meu atual vício no Nakka. Mas além deste – e de todos os outros restaurantes citados na parte 1 do post –, indico também o Due Cuochi (no almoço tem um esquema de menu executivo a preço fixo bem interessante) e o Le Vin (melhor steak tartar!). Se o intuito é um café da manhã ou lanche, recomendo fortemente a recém-inaugurada Frutaria (amo tostex, salada de frutas e água de coco no próprio coco!) e o Mr. Baker, que é ótima pedida também para marcar um café/suco no meio da tarde.

#PROJETOSAÚDE
Quem diria, voltei à academia mais uma vez! Ao menos, estou tentando – ahhh, se eu tivesse a mesma motivação para malhar que tenho para fazer matrícula… Mas estou amando a estrutura da novíssima BioRitmo do bairro, com tudo novinho em folha e sem lotação de alunos. Fui super pouco no primeiro mês, mas prometo retomar o hábito, porque ela vale a pena (fazia muita falta uma academia nestes moldes no Itaim)!

SUPERMERCADOS & PADARIAS
Este tópico talvez seja menos útil para quem vem a passeio para a cidade, mas pode ajudar quem está de mudança para o Itaim. Uma descoberta recente na minha vida de Itaim é o Hortifruti (filial da rede que eu já conhecia do Leblon): as frutas são super fresquinhas, você encontra também produtos mais naturais e há uma parede à la Whole Foods – aquela rede de supermercados maravilhosa dos Estados Unidos que oferece frutas cortadinhas, saladas pré-prontas, tudo em potinhos prontos para o consumo. Fica quase em frente a BioRitmo, então saio da academia, compro uma salada e me sinto muito saudável! Brincadeiras à parte, para compras normais, há também o Emporium São Paulo, outro endereço para comprar coisas mais diferentes, e um recém-inaugurado Pão de Açúcar na rua Renato Paes de Barros que também segue o esquema de saladinhas prontas em potes. Viva a praticidade para as Amélias de araque! Pra completar meu tour habitual, indico a padaria Bienal, que tem o melhor queijo quente com suco de laranja com cenoura para aquele lanchinho de meio da tarde. O pão de queijo (MH ama!) e as carolinas de chocolate também compensam as calorias.

LIVROS, REVISTAS & PAPELARIA
O que mais sinto falta no Itaim é um lugar charmoso para comprar revistas do Brasil e do mundo – aliás nem sem se sinto falta, minha$ finança$ agradecem a Revistaria D’Amauri ter fechado as portas! Para as edições nacionais, compro na banca Bienal, logo em frente à padaria citada acima (na rua Renato Paes de Barros quase esquina com Pedroso Alvarenga). Edições gringas e livros eu acabo comprando fora do bairro – livros só tenho comprado online –, mas em caso de necessidade corro na Saraiva do Kinoplex. Para as canetinhas e massinhas de MH (e da mamãe!!!), a Kalunga, uma espécie de supermercado de papelaria, é um paraíso.

PARA AS CRIANÇAS
Sinto falta de áreas e programações kids friendly em São Paulo, mas de vez em quando MH se diverte na mini-micro-pracinha do Kinoplex. Agora estou curiosíssima para experimentar o recém-inaugurado Cadê Bebê, espaço cheio de atividades para todas as idades no qual as crianças podem brincar por hora (R$ 48), por período de quatro horas + oficinas (R$ 90) ou por pacotes mensais (a partir de R$ 250). Quem já foi elogiou muito e, como é super perto de casa, em breve iremos testar pessoalmente!

Desta vez, encerro o post com um chamado especial: você tem mais dicas bacanas do bairro? Conhece alguma banca de revistas especial? Tem indicação de salão simples-porém-fofo para aquelas escovas básicas no meio da semana? Programações para crianças? Os comentários estão abertos!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

MH a Bordo

Meus dez restaurantes favoritos em SP

10 de março de 2015

Um lugar para comer bem, assim costuma ser descrita a cidade de São Paulo. Eu não sou expert em gastronomia, não sou gourmet, não tenho sequer paladar adulto, mas, ainda assim, compartilho os lugares que amo escolher para almoçar ou jantar por aqui – sou do tipo que repete os mesmos lugares, os mesmos pratos e esta mesma frase (se você é leitor das antigas, certamente já leu por aqui que sou meio novofóbica!). Eis o top 10 que está nos meus planos mais óbvios e imediatos…
{em todos estes, crianças são bem-vindas – especialmente em almoço ou jantar cedo!}

restaurantes em São Paulo

Ritz: uma das escolhas mais famosas, óbvias e comuns – mas nunca uma escolha-tédio, que fique claro! É meu vício desde bem antes de eu vir morar em São Paulo, quando já saía do aeroporto direto para os bolinhos de arroz e para o penne mediterrâneo. O hambúrguer também vale cada caloria {e taí alguém que entende de hambúrgueres falando!}.

Mani: fiz um intensivão na gravidez, por conta de sua localização super próxima ao consultória da minha obstetra. Tem comida saudável e com ingredientes naturais que consegue agradar até a paladares infantis como o meu. O polvilho de entrada e o talharim de pupunha são para comer rezando.

Nakka: fico com vergonha de postar as fotos deste japa-desejo-eterno na minha vida – só na semanda passada encarei dois dias seguidos, não dá pra enjoar nunca do sushi de barriga de salmão com lascas de limão siciliano. E não, eu não sou patrocinada por eles {infelizmente!}. 😛

Japengo: o fast-food japonês do shopping Iguatemi é o lugar ideal para comer quando estou com pressa e/ou sozinha passeando por lá. O mix de esteira e balcão é o combo perfeito para as duas situações. Escolho os mais básicos.

Fogo de Chão: quando eu ainda era carioca, tinha bem mais o hábito de churrascaria – que, pra mim, precisa ser assim em esquema de rodízio! Esta é minha rede favorita em São Paulo. Do pão de queijo à picanha, tudo é excelente.

Tappo: um italianinho despretensioso nos Jardins que tem massas excelentes e ambiente gostoso para um jantar mais tarde.

Chez Mis: outro que me remete à minha gravidez – e passa a ter peso dois, contando com o quê sentimental da coisa. Não sei se tive exatamente desejo de grávida, mas se tive ele foi o nhoque deste restaurante, que eu comia compulsivamente!

Le Vin: amo o ambiente, amo os pães do couvert, amo o steak tartar com batatas-fritas! Tem filiais nos Jardins e no Itaim e está até nas indicações de lugares paulistanos no meu livro ItGirls (sim, paixão antiga!).

Camelo: nunca pisei neste restaurante antigo, simples e tradicional do Itaim, mas o strogonoff de lá é parte do meu top 3 de deliveries desde que me mudei para São Paulo em 2006.

Le Manjue: desta lista, o mais recente! Outro que faz uma linha mais natureba (é de lá o prato que ilustra o post), sem ser radical demais. O mais bacana é que o cardápio indica o que tem – ou não – glúten e outros ingredientes, facilitando a vida de alérgicos e intolerantes.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…