ALE GARATTONI

Carioca em SP, leonina, mãe da MH. Este blog é o meu hobby-recreio e aqui você vai ler posts que agradam aos olhos, à mente, à energia. Com beleza, suspiros e leveza! Cuide de sua alma e inspire-se, para ser & fazer melhor.

Lifestyle

A febre dos livros de colorir para adultos

6 de Abril de 2015

Cena 1: começo a ver em fotos no instagram de brasileiras e gringas livrinhos coloridos ao lado de caixas de lápis de cor, no estilo “pinte você mesma”. Penso “legal, mas não teria paciência”. Cena 2: uma leitora me manda o link do tal livro-sensação, que eu então descubro que se chama Jardim Secreto, e diz que achou a minha cara. Respondo “achei o máximo, mas sou muito ansiosa pra conseguir esta tarefa”. Cena 3: assistindo ao programa Em Pauta, da GloboNews, ouço que o tal Jardim Secreto já vendeu mais de um milhão de cópias no mundo todo. Taí, começo a ter vontade de experimentar e… descubro que ele está esgotado em todas as livrarias. Tentei, na semana passada, em várias delas e nada. E o que acontece quando uma mulher percebe que algo bonitinho está esgotado? Ela passa a desejar profundamente!

livro de colorir

Essa introdução foi para explicar por que me rendi e comprei um Jardim Secreto para chamar de meu – sim, depois da epopeia da procura, consegui, com a ajuda de uma amiga, encontrar na carioca Travessa {comprei online neste link, com 20% de desconto}.
UPDATE: o livro esgotou também no site da Travessa. Pesquisei e encontrei-o aqui em versão pré-venda na Saraiva (envio prometido para o dia 15.04). Já na Livraria Cultura, há neste link estoque do Floresta Encantada, uma espécie de continuação, que leva a assinatura da mesma artista.

Jardim Secreto

Deve chegar por aqui amanhã ou depois e eu já separei minhas caixas de lápis de cor abandonadas desde os tempos da faculdade de moda {vocês sabiam que fiz moda durante um ano em 2001?! Entrei e saí sem conseguir desenhar um vestido, mas os lápis de cor eram minha razão de estar ali!}. A promessa do livro-sensação é que a atividade de colorir ajuda a combater o estresse e a ansiedade. Se eu conseguir colocá-lo à frente da procrastinação tecnológica na minha lista de afazeres, já valeu o preço!

lápis de cor
{caixa de lápis de cor, Caran d’Ache}

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Lifestyle

Para amadurecer a relação com o dinheiro: dez dicas práticas

24 de Fevereiro de 2015

Minha relação com o dinheiro já passou por muitas etapas. No tempo em que eu ainda morava com meus pais, não tinha renda própria e gastava em cartões de crédito de dependente cujas contas não chegavam a mim (no máximo chegavam as broncas a cada dia 5!), eu fui uma jovem adulta super irresponsável. Não me lembro ao certo quando me dei conta de que detestava excessos e acúmulos, algo que me mudou de impulsiva para planejada – mas, ainda que de forma planejada, eu sempre precisava de muitas coisas! Ao passar a finalmente lidar com o MEU próprio dinheiro, vivi diferentes estágios:

1) Gastar mais do que ganhar, precisando de ajuda externa (leia-se meus pais e, depois, marido) para conter descontroles maiores
2) Gastar tudo que provavelmente virá a ganhar, num looping eterno de sair do vermelho apenas para entrar de novo – mas já conseguindo me re-equilibrar sozinha
3) Gastar por conta o que sabe que vai ganhar, torrando com antecedência todo o salário/faturamento já certo
4) Gastar depois de ganhar, mas sem direito a deixar um real de troco na conta!

Nunca fiz a loucura de me endividar nem muito menos cheguei ao ponto de deixar o cartão entrar no crédito rotativo (em algum momento da juventude alguém me ensinou que jamais se paga menos que o valor total de uma fatura de cartão de crédito, ufa!), mas, ainda que os quatro estágios mostrem uma evolução, devo admitir que só há pouco, bem pouco tempo aprendi a deixar dinheiro marinando na conta! Isso por acaso aconteceu em um mês em que eu faturei bem acima da média e, quando dei por mim, sei lá como, cheguei no dia 31 quase zerada. Me assustei e resolvi pisar no freio. E já deu pra entender que não ter destinos imediatos para os lucros é algo libertador. Os próximos passos? Guardar e investir!

A introdução super-pessoal (to tímida!) explica por que o livro Finanças Femininas, que eu ganhei da autora Carol Ruhman Sandler no começo da semana, furou a fila de leitura – de muitos outros, porque livro AINDA é algo que eu compro meio compulsivamente – e está sendo devorado em dias. Durante muito tempo, usei brincadeiras como “Deus deposita” e “tem que fazer vácuo na conta pra entrar mais” (que até davam certo, verdade seja dita), mas estou descobrindo que substituí-las pelo prazer de ver a conta com mais dígitos pode ser tão ou mais prazeroso que a satisfação imediata de compras que não darão mais satisfação nem no dia seguinte {o livro explica muito bem esta teoria de como o prazer de curto prazo costuma ser imbatível em comparação com o de longo prazo, vem daí a quantidade de compras por impulso e consequentes culpas}.

(null)

Para dicas mais teóricas e profissionais, recomendo fortemente o livro. Para arrematá-lo com o exemplo de uma ex-quase-Becky-Bloom, compartilho um pouco do que tem funcionado comigo…

1) Trocar o cartão de crédito pelo de débito na maior parte das vezes – perde-se a chance de acumular milhas, mas ganha-se um maior controle sobre saídas (e eventuais exageros)

2) Trocar o “já gastei tanto com a academia, então vou gastar com as roupas da academia” pelo “já gastei tanto com a academia, então vou controlar o resto”

3) Lembrar de tudo que tem no próprio acervo diariamente antes de comprar o novo hidratante, o novo jeans, o novo sapato preto…

4) Arrumar o armário e ver o que está encostado porque precisa de um leve ajuste ou conserto: é quase como fazer compras no próprio closet!

5) Montar painéis de referências de looks e perceber que você tem todas as peças para reproduzir aqueles visuais

6) Não ser irracional com teorias fictícias da compensação materna: “gasto fortunas comigo, então TENHO que comprar pra minha filha o lenço umedecido que custa o quádruplo do preço do outro” (sendo que ambos são igualmente bons!)

7) Dedicar mais energia no planejamento de ganhos do que no planejamento de gastos (parece óbvio, mas não é!)

8) Controle o complexo de Cinderela: pra que mudar corte/cor, ir no dermatologista/nutricionista, colocar cílios, fazer uma nova tatuagem e pagar massagens e tratamentos tudo ao mesmo tempo?! Estabeleça prioridades, monte uma escala e dê um passo por vez!

9) Nos capítulos que li até agora no Finanças Femininas, minha parte favorita é a que fala dos “preços ancorados”, estratégia que nos faz achar uma calça de R$ 1.500 reais barata (!!!) depois de ter visto outra por R$ 3.000. O conceito de caro x barato, eu sempre digo, é super relativo, pois cada um sabe da sua própria conta bancária. Mas analisar preços justos, prioridades e, principalmente, possibilidades pessoais faz parte de um bom senso que nunca podemos perder!

10) Comprar o que de fato é necessário, útil ou atraente, mas não cair na armadilha de levar pra casa “só porque estava com 50% de desconto” – é por esse motivo que dificilmente alguém vai me ver em outlets!

AINDA não consigo ser racional com alimentação (restaurantes, deliveries e afins) e ainda não consigo pensar em investimentos/planos de longo prazo, mas acredito que esta estrada atual me leve para isso no futuro. E, como diz o livro Finanças Femininas, não adianta querer partir para radicalismos, pois eles não duram. Por ora, valorizo os novos passos. Sem exageros. E que venham os próximos no momento certo!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Lifestyle

A mais linda foto do livro ItGirls

27 de junho de 2014

Pouco tempo depois do lançamento do livro ItGirls (em dezembro de 2010, dá pra acreditar que já tem todo esse tempo?!), uma amiga me encaminhou uma foto com a qual ela se deparou em seus passeios no WeHeartIt. A imagem – que compartilho abaixo – era anônima e ao mesmo tempo a mais linda já publicada do It. Salvei numa pastinha e fiquei curiosa pra saber quem seria a autora da obra.

Mais de três anos se passaram e eu compartilhei-a no Instagram. Qual não foi minha surpresa em receber um comentário da “modelo”: “Quem tirou foi minha irmã Andrea Mendes, em 2011, estávamos viajando e o It era minha leitura de férias!”, foi o que me contou Fernanda Costa Mendes. O blog da fotógrafa que assina a imagem está linkado no nome dela e merece seu clique, viu?!

A propósito: por falar em livro ItGirls, ele segue à venda no StyleMarket com frete grátis para todo o Brasil. Já tem o seu?!

livro ItGirls

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…