ALE GARATTONI

Carioca em SP, leonina, mãe da MH. Este blog é o meu hobby-recreio e aqui você vai ler posts que agradam aos olhos, à mente, à energia. Com beleza, suspiros e leveza! Cuide de sua alma e inspire-se, para ser & fazer melhor.

Meus Trabalhos

Para blogueiros: como ganhar dinheiro com afiliados

3 de agosto de 2017

Quem acompanha meu trabalho já sabe que, por opção, eu não faço publieditoriais. Em todos estes anos de blog, fiz esse tipo de comercialização exatamente quatro vezes – e em todas elas me senti meio contrariada, incomodada, nada à vontade. Dia desses, quando falava sobre isso em uma reunião de trabalho com alguém do mercado digital, ouvi a melhor definição para esta minha escolha: exótica! Não tem a ver com medo da rejeição dos leitores nem mesmo com incapacidade de lidar com isso sem perder minha credibilidade. Em parte pode, sim, ser efeito das minhas crenças limitantes com dinheiro (essa parte, um defeito!). Mas o ponto crucial mesmo é que quando criei o ItGirls em 2007 meu MAIOR desejo e grande motivação para ter um blog era ter um espaço no qual eu escrevesse apenas do que mais amava, sem amarras comerciais nem briefing de anunciante – sonho esse que se devia ao fato de eu trabalhar como jornalista na época e, em sites e revistas, ter sido muito pautada pelo departamento de publicidade.

Tudo isso serve para explicar por que me apaixonei pelo conceito de marketing de afiliados, que uso timidamente desde 2011 e tema no qual ando me aprofundando mais ultimamente. No Brasil, ainda é sub-utilizado, mas nos Estados Unidos, por exemplo, tem muito produtor de conteúdo ganhando um dinheiro considerável mesmo sem ter milhões de acessos ou seguidores. Essa é, eu diria, minha aposta da vez e eu sou fã número um do conceito.

marketing de afiliados como ganhar dinheiro
imagem Marketing de Afiliados via Shutterstock

PROGRAMAS DE AFILIADOS: COMO ISSO FUNCIONA?
Explicando rapidamente para quem ainda não sabe do que se trata. Um programa de afiliados une e-commerces e produtores de conteúdo. Quando um post indica um produto deste anunciante e um leitor compra o que fora recomendado, o autor do texto (e da dica) ganha uma porcentagem da venda. Note que é um ganha-ganha, bom pra todos os lados – e por isso eu amo, uso e recomendo. O blogueiro não tem nenhuma interferência em seu conteúdo (escreve sobre o que realmente quer), a marca conta com um canal extra de divulgação (e remunera por resultado, sem ter que investir no escuro), o leitor tem acesso a uma dica realmente espontânea. Em resumo, ninguém fica devendo nada para ninguém!

QUERO COMEÇAR: QUAIS MARCAS TÊM AFILIADOS?
O marketing de afiliados tem crescido cada vez mais no Brasil – nos EUA, como disse acima, já é fonte número um de renda de muitos blogueiros há anos. Todos os grandes e-commerces têm um, seja individual ou em programas coletivos. Geralmente, no rodapé do próprio site é possível encontrar informações sobre isso. Vale também ir atrás das marcas que têm sentido em seu nicho de atuação.

QUANDO COMEÇAR: AS REGRAS PARA SE CANDIDATAR
Sempre, sempre digo que se a pessoa quer ganhar muito dinheiro deve procurar outra carreira que não a de blogueiro. Acontece que de uns anos para cá houve esse boom e realmente há quem tenha um faturamento bem significativo, mas é importantíssimo ressaltar que – como em QUALQUER outro mercado – estas são exceções, não a regra. Digo isso porque não basta abrir um blog hoje, escrever meia dúzia de posts amanhã e sair pedindo viagem/maquiagem de graça (por favor, não faça isso, queima nossa classe!) ou esperar que os dólares passem a nascer na sua conta. Não é assim! E com afiliados, por mais ganha-ganha que seja, é a mesma coisa. Para ter resultado, é preciso ter engajamento real. O que se constrói com tempo e trabalho. Dito isso, sim, mesmo sem os tais números estratosféricos é possível ganhar dinheiro com afiliados, melhor forma de trabalho para os microinfluenciadores (bola da vez no mercado, dê um Google e leia sobre o assunto!). Cada programa tem suas regras de aprovação, sendo alguns mais simples de entrar do que outros. Mas, generalizando por cima, as empresas analisarão a qualidade do blog, o tempo/quantidade de posts e a identificação com a proposta.

OS PROGRAMAS QUE USO E RECOMENDO
O ideal – até para questões de organização – é concentrar em menos programas que consigam te oferecer o maior número de marcas interessantes para seu nicho. Em alguns, você está automaticamente apto a ser afiliado de todas as empresas associadas; em outros, é preciso aplicar marca por marca. Eu estou a-pai-xo-na-da pelo rewardStyle, empresa que é referência nos afiliados de moda e beleza no mundo todo e chegou ao Brasil no ano passado. Eu inclusive acabei deixando de lado outros que usava, pois ele é bem completo no geral. Para fazer parte dele, é preciso ser indicado (obrigada, The!) e aprovado, mas não há comparação em termos de ferramentas e tecnologia. De programas diretos, hoje uso apenas os da Amazon, brasileira e americana. Veja abaixo os outros nos quais estou inscrita e quais são as principais marcas de cada um.
rewardStyle: Sephora, Onofre, Amaro, Dafiti, Shop2gether, Schutz, Luiza Barcelos, Nike, Net-a-Porter, Farfetch, Renner.
Lomadee: Saraiva, Fnac, FastShop, Sepha, Sephora, Livraria da Travessa, L’Occitane, RiHappy, Livraria Cultura, PBKids, Monama.
ActionPay: Jogê, C&A, Ateen, Verve, AliExpress.
Zanox: Printi, O Boticário, C&A, Dafiti, Nike, Etna, Shop2gether, Reserva, Tricae, Giuliana Flores, Leiturinha, Caudalie.
Linkshare/Rakuten: Net-a-Porter, Luiza Barcelos, Rayban, Udemy.

PARA PRINCIPIANTES: O CURSO QUE ENSINA TUDO SOBRE O TEMA
Quando estava estudando mais sobre o assunto, li uma matéria no site da Forbes americana sobre a Michelle Gardner, blogueira sobre finanças que tinha ganhos mensais de até seis dígitos de dólares por meio do marketing de afiliados. Me inscrevi em sua newsletter (e-mail marketing bem usado, taí outra de minhas apostas) e acabei comprando seu curso sobre o assunto. Achei super bom, mas acredito que ele seja ainda mais útil para principiantes – como eu já sabia mais sobre o assunto, ele não foi totalmente novo para mim (embora eu tenha conseguido também aprender várias dicas e estratégias ótimas). São seis módulos que cobrem desde o beabá inicial para quem quer ganhar dinheiro com afiliados até as estratégias para melhorar sua conversão (percentual de vendas fechadas), passando pelas dicas para ser aprovado nos programas. O conteúdo é todo em lições escritas e traz algumas tabelas para por em prática as lições – como não curto tanto assistir a vídeos, não senti falta deste formato no curso, prefiro mesmo por escrito. Para quem não sabe bem por onde começar, recomendo 100% o Making Sense of Affiliate Marketing (disponível apenas em inglês)! Ao fim do curso, você pode inclusive aplicar para ser afiliado do próprio curso – eu sou e esse é um link taggeado, mas depois de todo esse texto nem preciso reforçar que toda e qualquer recomendação no blog é 100% espontânea!

Ganhar dinheiro com blog mantendo a seriedade e a credibilidade é super possível e eu seguirei sempre defendendo que os blogs são um poderoso meio de indicações e recomendações.

Se você é uma marca: meses atrás, falei sobre Programas de Afiliados sob a ótica do anunciante neste post do Amo Branding!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Lifestyle

Conheça Elaine Welteroth, nova diretora da Teen Vogue

8 de junho de 2016

Substituir nomes icônicos do mercado editorial americano: essa parece a missão oficial de Elaine Welteroth, promovida ao posto de Diretora de Redação da Teen Vogue no mês passado. A vaga era ocupada desde a criação da revista, em 2003, por Amy Astley, considerada pupila e sucessora de Anna Wintour. Amy, segundo consta, assumiu a direção da Architectural Digest com o objetivo de aumentar a base digital da publicação, algo que faz com muito talento. Voltando a Elaine, esta não é a primeira vez que ela encontra o desafio de herdar postos antes ocupados por nomes fortes e carismáticos. Sua chegada na Teen Vogue, quatro anos atrás, foi para comandar a cadeira de diretora de beleza deixada por Eva Chen – um dos nomes mais populares das mídias sociais, hoje à frente do departamento de moda do Instagram, como você leu aqui no ano passado.

Elaine Welteroth

BIO
Elaine estudou comunicação na Universidade da Califórnia, em Sacramento, antes de atravessar os Estados Unidos rumo à costa leste para se estabelecer em Nova York. Já em Manhattan, mora hoje em um apartamento no West Village e, aos 29 anos, é a Diretora de Redação mais jovem na história de mais de cem anos da Condé Nast. Antes de chegar a Teen Vogue em 2012, passou um ano no posto de editora de beleza da Glamour, título que faz parte da mesma empresa.

Elaine Welteroth

DICAS DE CARREIRA
Na época em que assumiu o posto deixado por Eva Chen, Elaine contou ao site Fashionista que recebeu preciosos conselhos de sua antecessora famosa: “Eva me disse para encontrar minha própria fórmula. Me encorajou a dizer sim a jantares, galas e importantes eventos do mercado mesmo que isso me fizesse ficar no escritório até mais tarde”, contou. “Mas que eu também tivesse tempo para o pilates!”

Elaine Welteroth

MODA & BELEZA
Apesar do currículo até então mais focado no universo da beauté, os looks da jornalista são cheios de personalidade e chamam atenção dos fotógrafos de street style. Botinhas, saias midi, cores e estampas fazem parte do closet nada-básico, recheado de acessórios Chanel, MiuMiu e Manolo Blahnik – segundo registrou o site The Coveteur.

Elaine Welteroth

ONLINE 24/7
Quase um ano atrás, quando deu entrevista para o The Coveteur, contava estar obcecada pelo Snapchat, rede social à qual ela tinha aderido meses antes. “Eu poderia usar Snap o dia inteiro. Estou sempre convertendo as pessoas e ensinando a elas como funciona o aplicativo!”, explicou. Os “antigos” Twitter e Instagram – sempre com o username @ElaineWelteroth – também fazem parte de sua rotina super online.

Elaine Welteroth

Elaine Welteroth

imagens: The Coveteur, Fashionista, Refinery29

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Lifestyle

Paula Narvaez: como a disciplina dos esportes ajuda nos negócios

27 de novembro de 2015

Vira e mexe falo por aqui e/ou nos workshops como ler sobre esportistas pode ajudar a trazer inspiração de disciplina extra para a carreira e para os negócios. O papo de hoje é sob medida para isso: Paula Narvaez é produtora de Marketing Digital do grupo Iguatemi e, simultaneamente, maratonista – isso sem contar com a tarefa de mãe da pequena Malu, com o posto de Digital Influencers da Nike e com o ótimo blog Corre Paula. Como dar conta de tudo isso? Com a disciplina que só os esportes trazem, oras!

Paula Narvaez

* A corrida é um dos esportes que mais exigem determinação e dedicação – afinal, há planilhas e metas a serem cumpridas, faça chuva ou faça sol. Você sempre foi uma pessoa determinada e com foco ou começar a correr te trouxe (ou fortaleceu) isso?
A corrida me ensinou não só a ver o mundo de outra maneira, mas principalmente que na vida temos que fazer escolhas. Comecei a correr com 24 anos, adorava sair à noite, beber uns drinks, fumar, então uns dois anos depois cheguei no limite dessa vida dupla e percebi que teria que fazer uma escolha. Virei a chata da balada e até perdi algumas amigas, mas minha escolha estava feita. A partir deste momento, a chave virou e comecei a levar os treinos realmente a sério. Disciplina e determinação passaram a fazer parte de mim e a corrida finalmente começou a refletir em outros campos da minha vida.

* Ano passado, você foi escolhida para o posto de Digital Influencer da Nike. Qual a melhor parte de produzir conteúdo para uma marca esportiva tão significativa no mundo todo e de que maneira você busca trazer esse incentivo a outras pessoas?
Não posso negar que viajar, ter acesso exclusivo aos lançamentos e acontecimentos da marca é uma parte muito boa, mas o melhor disso tudo é ter a confiança, o respeito e o retorno da minha leitora. O Corre Paula foi o primeiro blog de corrida para mulheres do Brasil e na época em que comecei ninguém falava sobre o assunto. Hoje vejo muitas meninas criando blogs para ganhar roupas, tênis etc, até respeito, pois acho que todo mundo tem o direito de ir atrás dos seus objetivos. Mas, olhando minha trajetória, vejo que os anos se passaram e minha missão nunca mudou. Os dois grandes objetivos do blog são compartilhar informação sobre corrida e mostrar como o esporte faz bem para a autoestima e nos torna mulheres muito mais fortes, felizes e seguras de nós mesmas. Sempre que posto uma foto gosto de ter uma história para contar, algo a acrescentar na vida e nos treinos das pessoas. Não quero apenas despertar desejo de estar ali ou de possuir algo. Quero despertar a vontade da minha leitora de sair correndo linda pro treino, de se apaixonar pelas etapas, apaixonar-se pelo próprio corpo e ser dona da própria rotina. Com ou sem equipamentos da moda é possível se sentir bonita, confortável e confiante. Além disso tudo, ser respeitada pela maior marca esportiva do mundo também é algo excepcionalmente bom!

* Você acumula também a função de produtora de Marketing Digital do grupo Iguatemi. Como é conciliar a vida profissional com a regularidade que o esporte exige e com o seu lado mãe?
Tenho muita sorte de ter minha mãe ao lado dando todo o respaldo que preciso para criar minha filha. Meus pais são super casados e apaixonados, mas hoje meu pai vive no Rio e minha mãe abriu mão de estar com ele para me ajudar a cuidar da Malu. No trabalho, procuro não ultrapassar as dez horas diárias – entro às 8h e saio às 18h, exceto quando tem alguma demanda especial. Vejo muita gente se matando de trabalhar, perdendo a vida, ganhando peso, cabelos brancos e tenho certeza absoluta que não quero isso pra mim. Se faço render cada uma das dez horas que trabalho por dia, não acho que exista necessidade de abrir mão de coisas que são importantes para minha saúde física e mental, como os treinos. E se algum imprevisto acontece me viro nos horários alternativos, se precisar treino na hora do almoço, à noite…dou um jeito.

Paula Narvaez

* Ter diversos papéis exige abrir mão de certas coisas em prol de outras mais importantes. Como você enxerga essa necessidade de fazer escolhas em uma época que exige estarmos sempre presentes em tudo? Qual seu critério para definir prioridades?
Não dá pra querer abraçar o mundo, minha prioridade hoje é dar uma vida legal para minha filha e ser uma pessoa feliz. A corrida me ensinou muito sobre como a felicidade pode estar nos movimentos simples da vida, esse é o clichê mais verdadeiro que existe. O problema é o tamanho das expectativas que criamos e na quantidade de coisas desnecessárias com as quais nos comprometemos. Não somos obrigadas a desenvolver papel de mulher maravilha todo dia – se não der, não deu.

* Por fim, o mais importante: o que da disciplina do esporte pode ser aplicado na vida profissional – seja corporativa ou empreendedora? Você sente que suas características estimuladas pelos treinos te ajudam também em sua carreira? E qual a dica de determinação esportiva você compartilharia com todos que querem ter mais foco e disciplina nas metas profissionais?
Uma coisa do esporte que pode ser aplicada à vida profissional é o comprometimento. Não existe disciplina sem comprometimento e vice-versa. Ir adiante mesmo nos dias difíceis, fazer algumas coisas (ALGUMAS!) mesmo sem estar com vontade e tocar o barco sem desespero acreditando que lá na frente vai dar tudo certo. Assim funciona a planilha para uma maratona. Durante as 16 semanas de treino, você acorda muitas vezes sem estar a fim, com frio, com chuva, com dor e precisa de comprometimento e disciplina para ir mesmo assim. Mesma coisa durante a prova: muita coisa acontece no nosso corpo e na nossa mente enquanto corremos aqueles longos 42km, mas temos que ir colocando tijolinho por tijolinho, matando quilômetro por quilômetro sem pensar se ainda faltam 30 ou 3km para acabar. Se você pensar no final e se desesperar para tentar chegar logo, com certeza vai quebrar e corre o risco de não conseguir completar a prova. Assim é na vida, vencer uma batalha por dia sem olhar pra guerra toda. Minha dica para quem quer ter mais foco é não olhar para o lado e não se desesperar quando os planos não saírem como deveriam, tudo sempre dá certo e de quebra no meio do caminho aprendemos uma porção de coisa.

Mais sobre a Paula em seu blog Corre Paula, no novíssimo My Sneaker House (exclusivamente com dicas de tênis) e em seu instagram.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…