ALE GARATTONI

Carioca em SP, leonina, mãe da MH. Este blog é o meu hobby-recreio e aqui você vai ler posts que agradam aos olhos, à mente, à energia. Com beleza, suspiros e leveza! Cuide de sua alma e inspire-se, para ser & fazer melhor.

Meus Trabalhos

Para blogueiros: como ganhar dinheiro com afiliados

3 de agosto de 2017

Quem acompanha meu trabalho já sabe que, por opção, eu não faço publieditoriais. Em todos estes anos de blog, fiz esse tipo de comercialização exatamente quatro vezes – e em todas elas me senti meio contrariada, incomodada, nada à vontade. Dia desses, quando falava sobre isso em uma reunião de trabalho com alguém do mercado digital, ouvi a melhor definição para esta minha escolha: exótica! Não tem a ver com medo da rejeição dos leitores nem mesmo com incapacidade de lidar com isso sem perder minha credibilidade. Em parte pode, sim, ser efeito das minhas crenças limitantes com dinheiro (essa parte, um defeito!). Mas o ponto crucial mesmo é que quando criei o ItGirls em 2007 meu MAIOR desejo e grande motivação para ter um blog era ter um espaço no qual eu escrevesse apenas do que mais amava, sem amarras comerciais nem briefing de anunciante – sonho esse que se devia ao fato de eu trabalhar como jornalista na época e, em sites e revistas, ter sido muito pautada pelo departamento de publicidade.

Tudo isso serve para explicar por que me apaixonei pelo conceito de marketing de afiliados, que uso timidamente desde 2011 e tema no qual ando me aprofundando mais ultimamente. No Brasil, ainda é sub-utilizado, mas nos Estados Unidos, por exemplo, tem muito produtor de conteúdo ganhando um dinheiro considerável mesmo sem ter milhões de acessos ou seguidores. Essa é, eu diria, minha aposta da vez e eu sou fã número um do conceito.

marketing de afiliados como ganhar dinheiro
imagem Marketing de Afiliados via Shutterstock

PROGRAMAS DE AFILIADOS: COMO ISSO FUNCIONA?
Explicando rapidamente para quem ainda não sabe do que se trata. Um programa de afiliados une e-commerces e produtores de conteúdo. Quando um post indica um produto deste anunciante e um leitor compra o que fora recomendado, o autor do texto (e da dica) ganha uma porcentagem da venda. Note que é um ganha-ganha, bom pra todos os lados – e por isso eu amo, uso e recomendo. O blogueiro não tem nenhuma interferência em seu conteúdo (escreve sobre o que realmente quer), a marca conta com um canal extra de divulgação (e remunera por resultado, sem ter que investir no escuro), o leitor tem acesso a uma dica realmente espontânea. Em resumo, ninguém fica devendo nada para ninguém!

QUERO COMEÇAR: QUAIS MARCAS TÊM AFILIADOS?
O marketing de afiliados tem crescido cada vez mais no Brasil – nos EUA, como disse acima, já é fonte número um de renda de muitos blogueiros há anos. Todos os grandes e-commerces têm um, seja individual ou em programas coletivos. Geralmente, no rodapé do próprio site é possível encontrar informações sobre isso. Vale também ir atrás das marcas que têm sentido em seu nicho de atuação.

QUANDO COMEÇAR: AS REGRAS PARA SE CANDIDATAR
Sempre, sempre digo que se a pessoa quer ganhar muito dinheiro deve procurar outra carreira que não a de blogueiro. Acontece que de uns anos para cá houve esse boom e realmente há quem tenha um faturamento bem significativo, mas é importantíssimo ressaltar que – como em QUALQUER outro mercado – estas são exceções, não a regra. Digo isso porque não basta abrir um blog hoje, escrever meia dúzia de posts amanhã e sair pedindo viagem/maquiagem de graça (por favor, não faça isso, queima nossa classe!) ou esperar que os dólares passem a nascer na sua conta. Não é assim! E com afiliados, por mais ganha-ganha que seja, é a mesma coisa. Para ter resultado, é preciso ter engajamento real. O que se constrói com tempo e trabalho. Dito isso, sim, mesmo sem os tais números estratosféricos é possível ganhar dinheiro com afiliados, melhor forma de trabalho para os microinfluenciadores (bola da vez no mercado, dê um Google e leia sobre o assunto!). Cada programa tem suas regras de aprovação, sendo alguns mais simples de entrar do que outros. Mas, generalizando por cima, as empresas analisarão a qualidade do blog, o tempo/quantidade de posts e a identificação com a proposta.

OS PROGRAMAS QUE USO E RECOMENDO
O ideal – até para questões de organização – é concentrar em menos programas que consigam te oferecer o maior número de marcas interessantes para seu nicho. Em alguns, você está automaticamente apto a ser afiliado de todas as empresas associadas; em outros, é preciso aplicar marca por marca. Eu estou a-pai-xo-na-da pelo rewardStyle, empresa que é referência nos afiliados de moda e beleza no mundo todo e chegou ao Brasil no ano passado. Eu inclusive acabei deixando de lado outros que usava, pois ele é bem completo no geral. Para fazer parte dele, é preciso ser indicado (obrigada, The!) e aprovado, mas não há comparação em termos de ferramentas e tecnologia. De programas diretos, hoje uso apenas os da Amazon, brasileira e americana. Veja abaixo os outros nos quais estou inscrita e quais são as principais marcas de cada um.
rewardStyle: Sephora, Onofre, Amaro, Dafiti, Shop2gether, Schutz, Luiza Barcelos, Nike, Net-a-Porter, Farfetch, Renner.
Lomadee: Saraiva, Fnac, FastShop, Sepha, Sephora, Livraria da Travessa, L’Occitane, RiHappy, Livraria Cultura, PBKids, Monama.
ActionPay: Jogê, C&A, Ateen, Verve, AliExpress.
Zanox: Printi, O Boticário, C&A, Dafiti, Nike, Etna, Shop2gether, Reserva, Tricae, Giuliana Flores, Leiturinha, Caudalie.
Linkshare/Rakuten: Net-a-Porter, Luiza Barcelos, Rayban, Udemy.

PARA PRINCIPIANTES: O CURSO QUE ENSINA TUDO SOBRE O TEMA
Quando estava estudando mais sobre o assunto, li uma matéria no site da Forbes americana sobre a Michelle Gardner, blogueira sobre finanças que tinha ganhos mensais de até seis dígitos de dólares por meio do marketing de afiliados. Me inscrevi em sua newsletter (e-mail marketing bem usado, taí outra de minhas apostas) e acabei comprando seu curso sobre o assunto. Achei super bom, mas acredito que ele seja ainda mais útil para principiantes – como eu já sabia mais sobre o assunto, ele não foi totalmente novo para mim (embora eu tenha conseguido também aprender várias dicas e estratégias ótimas). São seis módulos que cobrem desde o beabá inicial para quem quer ganhar dinheiro com afiliados até as estratégias para melhorar sua conversão (percentual de vendas fechadas), passando pelas dicas para ser aprovado nos programas. O conteúdo é todo em lições escritas e traz algumas tabelas para por em prática as lições – como não curto tanto assistir a vídeos, não senti falta deste formato no curso, prefiro mesmo por escrito. Para quem não sabe bem por onde começar, recomendo 100% o Making Sense of Affiliate Marketing (disponível apenas em inglês)! Ao fim do curso, você pode inclusive aplicar para ser afiliado do próprio curso – eu sou e esse é um link taggeado, mas depois de todo esse texto nem preciso reforçar que toda e qualquer recomendação no blog é 100% espontânea!

Ganhar dinheiro com blog mantendo a seriedade e a credibilidade é super possível e eu seguirei sempre defendendo que os blogs são um poderoso meio de indicações e recomendações.

Se você é uma marca: meses atrás, falei sobre Programas de Afiliados sob a ótica do anunciante neste post do Amo Branding!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Amo Branding

Branding para recolocação profissional – cinco dicas úteis

23 de junho de 2016

O tema do post #AmoBranding desta semana é super, super delicado. Tão delicado que relutei, adiei e pensei mil vezes antes de escrever o texto. Mas já faz um tempo que tenho visto – em perfis do Linkedin e grupos de Facebook – o triste reflexo de uma economia em crise, algo que me sacode num desejo intenso e genuíno de ajudar de alguma forma.

É preciso ter sensibilidade, é preciso ter empatia para entender que, em muitos casos, (quase) não há como não perder o equilíbrio e eu garanto que entendo 100% cada uma das ações movidas pelo desespero humano de ter que honrar contas e não ver muita luz no fim do túnel. Mas é exatamente porque no geral é difícil manter a lucidez e a calma necessárias para se reinventar que eu decidi compartilhar algumas dicas que ajudem neste difícil processo. Virar o jogo depende, sim, de cada um. E eu torço para que estas palavras de otimismo misturadas a uma dose extra de estratégia possam fazer a diferença para quem tanto precisa.

recolocação profissional
imagem recrutamento via Shutterstock

EMPREENDER É UMA SAÍDA
O mercado tem cada vez menos empregos; muitos postos estão sendo encerrados; a oferta de mão de obra hoje é, no geral, infinitamente menor que a demanda. E isso atinge todas as áreas, todos os níveis hierárquicos, todas as empresas. A má notícia é que não, não há mesmo emprego para todo mundo. Por outro lado, o empreendedorismo nunca esteve tão difundido no Brasil. E ele pode ser uma boa opção mesmo para quem nunca havia pensado em ter o negócio próprio. Esqueça a ideia de que é preciso investir, contratar e montar estruturas para empreender. Busque em seus talentos aquilo que você faz bem e pense numa maneira de comercializar. Pensar fora da caixa é necessário, mas muitas vezes o que parece tão fácil e quase banal para você (como, sei lá, mexer com domínio em um iPad) pode ser uma lacuna para outras pessoas. Assim, o seu dom natural – como cozinhar, dar aula sobre um tema ou tricotar – tem boas chances de se transformar em um produto ou serviço  útil e interessante. O que você faz que todo mundo elogia?

Mais: Empreender na Crise É o Equivalente a Boiar e Se Salvar num Afogamento

VENDA BEM SEU PEIXE – E PROTEJA SUA IMAGEM DE MARCA
Este é o tópico mais, digamos, polêmico – e também o que motivou este texto. Em linhas gerais e com raras exceções, partir para o pedido desesperado de ajuda disparado e sem foco não vai adiantar. Não porque as pessoas são más ou insensíveis, mas porque no cenário atual seria impossível ajudar a todos que estão precisando. Então saiba que é mais fácil criar uma demanda real para sua especialidade do que conseguir um favor. No momento em que a pessoa fica se debatendo, ela acaba perdendo a energia que poderia usar para bolar algo que tenha procura. A simples maneira de divulgar seu produto ou serviço muda a maneira como as pessoas receberão e se interessarão por ele. Posicione sua imagem de marca, crie desejos, busque atender necessidades reais.

FOQUE NA SOLUÇÃO E NÃO NO PROBLEMA
Eu sei, claro que sei que é difícil manter até a sanidade quando as contas chegam e as perspectivas somem. Mas não adianta se desesperar. Tire um dia ou algumas horas ao menos para planejar. Faça relatórios de tudo: das contas que precisa acertar, do valor que precisa para se manter mensalmente, das despesas fixas que fazem parte da sua vida, das possíveis ações que você tem hoje a sua disposição para faturar, dos talentos, qualificações e experiências que acumulou na carreira. Visualizar ajuda a traçar (e atingir) metas. Muitas vezes, no pânico, a pessoa esquece até de respirar, mas manter um foco e pensar estrategicamente são atitudes que deixam mais clara a solução real. De bazares caseiros a serviços impensados, o que você pode fazer hoje – onde você está e com o que você tem – que te traga algum início de faturamento?

EXERCITE O NETWORKING POSITIVO
Se você sempre fez o “dever de casa da manutenção”, tem hoje uma rede valiosa de contatos que conhecem suas capacidades. Se já alimentava o networking positivo – aquele no qual mais se dá do que se recebe –, tem créditos que poderão ser revertidos em ajudas. Se buscou manter relacionamentos entre pessoas com interesses em comum, tem e terá sempre quem o recomende para oportunidades. Por isso tudo é tão importante ser “credor” nesta relação. Mas, se nunca havia pensado no poder do networking, não se desespere e comece agora, do zero mesmo. Faça trocas, prestigie genuinamente outras pessoas, se mostre de maneira inteligente nas redes sociais. Converse, interaja, ajude. Participe de grupos online e offline, produza conteúdo de alguma maneira, estabeleça conversas. Criar cenários que favoreçam oportunidades fará toda a diferença, especialmente no médio/longo prazo. Não se tranque, não se isole e não busque culpados. Entenda o espírito da famosa frase de Steve Martin como um mantra: “seja tão bom que não poderão te ignorar”.

NÃO DESCUIDE DO DESENVOLVIMENTO PESSOAL
Pode ser difícil entender a importância de aprender, buscar inspiração e evoluir enquanto se tem urgências sérias como atender suas necessidades básicas. Mas, até para cumprir os quatro tópicos acima, é fundamental abrir espaço para ter ideias, epifanias. E elas vêm exatamente quando nos presenteamos absorvendo repertório, buscando inspiração. Hoje, com a internet, há opções de leituras e palestras gratuitas, ao alcance de um real interesse. Conversas olho no olho, eventos de sua área e disposição para consumir conteúdo também estão ao alcance de todos. Nossa marca pessoal se valoriza quando a gente se desenvolve!

entrevista de emprego
imagem recrutamento via Shutterstock

EXTRA, EXTRA…
* Existe uma lacuna entre o ideal e o possível imediato – não deixe de começar só porque não é e-xa-ta-men-te o que você buscava
* Não vibre a energia do medo o tempo todo, foque nas ações que está realizando para resolver suas questões; “esquecer” temporariamente o que mais te aflige ajuda a redirecionar seu foco para a solução
* Leia sobre mindset (modelo mental), um dos mais valiosos conceitos da filosofia do coaching
* Acredite em você e cuide da sua auto-estima; algumas das maiores histórias de grande sucesso começam exatamente no auge da crise
* RES-PI-RE! E, na medida do possível, tente sair um pouco do olho do furacão para criar

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Lifestyle

Conheça Elaine Welteroth, nova diretora da Teen Vogue

8 de junho de 2016

Substituir nomes icônicos do mercado editorial americano: essa parece a missão oficial de Elaine Welteroth, promovida ao posto de Diretora de Redação da Teen Vogue no mês passado. A vaga era ocupada desde a criação da revista, em 2003, por Amy Astley, considerada pupila e sucessora de Anna Wintour. Amy, segundo consta, assumiu a direção da Architectural Digest com o objetivo de aumentar a base digital da publicação, algo que faz com muito talento. Voltando a Elaine, esta não é a primeira vez que ela encontra o desafio de herdar postos antes ocupados por nomes fortes e carismáticos. Sua chegada na Teen Vogue, quatro anos atrás, foi para comandar a cadeira de diretora de beleza deixada por Eva Chen – um dos nomes mais populares das mídias sociais, hoje à frente do departamento de moda do Instagram, como você leu aqui no ano passado.

Elaine Welteroth

BIO
Elaine estudou comunicação na Universidade da Califórnia, em Sacramento, antes de atravessar os Estados Unidos rumo à costa leste para se estabelecer em Nova York. Já em Manhattan, mora hoje em um apartamento no West Village e, aos 29 anos, é a Diretora de Redação mais jovem na história de mais de cem anos da Condé Nast. Antes de chegar a Teen Vogue em 2012, passou um ano no posto de editora de beleza da Glamour, título que faz parte da mesma empresa.

Elaine Welteroth

DICAS DE CARREIRA
Na época em que assumiu o posto deixado por Eva Chen, Elaine contou ao site Fashionista que recebeu preciosos conselhos de sua antecessora famosa: “Eva me disse para encontrar minha própria fórmula. Me encorajou a dizer sim a jantares, galas e importantes eventos do mercado mesmo que isso me fizesse ficar no escritório até mais tarde”, contou. “Mas que eu também tivesse tempo para o pilates!”

Elaine Welteroth

MODA & BELEZA
Apesar do currículo até então mais focado no universo da beauté, os looks da jornalista são cheios de personalidade e chamam atenção dos fotógrafos de street style. Botinhas, saias midi, cores e estampas fazem parte do closet nada-básico, recheado de acessórios Chanel, MiuMiu e Manolo Blahnik – segundo registrou o site The Coveteur.

Elaine Welteroth

ONLINE 24/7
Quase um ano atrás, quando deu entrevista para o The Coveteur, contava estar obcecada pelo Snapchat, rede social à qual ela tinha aderido meses antes. “Eu poderia usar Snap o dia inteiro. Estou sempre convertendo as pessoas e ensinando a elas como funciona o aplicativo!”, explicou. Os “antigos” Twitter e Instagram – sempre com o username @ElaineWelteroth – também fazem parte de sua rotina super online.

Elaine Welteroth

Elaine Welteroth

imagens: The Coveteur, Fashionista, Refinery29

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…