ALE GARATTONI

Mãe da Maria Helena, profissional de branding e apaixonada por moda e beleza! Meu blog é o espaço "hora do recreio" no qual divido dicas, inspirações, apostas no universo das it girls e minha vida primeira pessoa na maternidade.

Lifestyle

Rotina de produtos de beleza #De-Repente-40 – o rosto 

10 de outubro de 2016

Desde que este blog surgiu, você já leu por aqui algumas vezes este post IntoTheGloss inspired, com os eleitos da (minha) rotina de produtos de beleza. Pois bem, eis a edição #DeRepente40 deste formato, agora que estou no que considero a fase mais disciplinada de cuidados com a pele – há exatamente um ano não tomo mais sol no rosto e passei o último verão no Rio com filtro 90! Nas próximas semanas, estenderei essa tag a posts sobre produtos para corpo, lasers faciais e o comentadíssimo VelaShape 3, que estou testando e já adianto que é sur-pre-en-den-te no tratamento contra celulite.

beleza rosto

Fato número 1: a chegada aos 40 pede, sim, mais atenção à pele. E existem muitas questões – como manchas ou as primeiras marcas de expressão – que não se resolvem sem a ajuda de tratamentos mais potentes. Mas, ao mesmo tempo, é mais do que possível conseguir ótimos resultados mantendo a rotina certa. Um bom dermatologista é investimento que não se deve dispensar nesta fase, pois apenas um especialista consegue prescrever certos ativos. Eu já postei sobre isso, mas vale sempre repetir que há quatro anos a dra. Renata Oshiro cuida de mim e, ainda que minha pele nunca tenha sido exatamente difícil, eu enxergo um verdadeiro antes e depois das consultas de rotina e dos tratamentos que conheci graças a ela.

Dito isso, admito que 90% do que uso no rosto hoje é manipulado pela dra. Renata especialmente para mim. Resisti muito a deixar os produtos industrializados, mas percebo com clareza a diferença que faz ter itens sob medida para sua necessidade. Hoje, nem me imagino usando outra opção. Minha rotina, no entanto, inclui oito extras e são esses que recomendo aqui!

eleitos de beleza
(1) Onofre; (2) Zona Cerealista; (3) Amazon; (4) Sephora
(5) Lush; (6) Onofre; (7) Onofre; (8) Onofre 

Tenho entre meus manipulados um sabonete-esfoliante, um tônico, um hidratante para o dia, um creme para os olhos, um ácido e um hidratante para noites alternadas. Estou comprando todos na Dermaflora, uma farmácia de manipulação que ganhou minha fidelidade porque atende via Whatsapp (!!!). Mas, fora eles, eu considero o Cicaplast o melhor produto já inventado para hidratar o rosto. Uso em noites pós-laser ou pós-peeling, além de optar por ele uma vez por semana na hora de dormir para uma hidratação mais potente {minha pele é normal e eu moro em uma cidade com clima seco, não sei como ele funciona em outros perfis}. Uma ou duas vezes por semana, estou seguindo uma dica caseira que li de uma modelo coreana: limpar a pele com óleo de coco. Coloco uma quantidade generosa, massageio e tiro bem, sem deixar excesso. Nestes dias, troco meu sabonete habitual pelo ótimo Bioderma Sébium aplicado com o Clarisonic – a dupla faz uma limpeza mais intensa.

Pra completar a lista de indicações, o esfoliante labial Lush Bubblegum, que uso (e indico) há anos. Tento usar pelo menos três vezes por semana, ele resgatou meus lábios que viviam descascando. Arremato usando uma camada grossa de Creme Nivea – aquele tradicional da latinha azul – e hoje posso até usar batom matte se eu quiser (algo impossível tempos atrás). Por fim, estou usando religiosamente há pouco mais de um mês dois produtos de tratamento: o Benefit Browvo! e o Latisse. A promessa deles é fazer crescer, respectivamente, a sobrancelha e os cílios. Já percebo os resultados iniciais, mas prefiro deixar passar mais um tempinho antes do veredito definitivo. Voltarei a falar deles em breve, ok?!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Lifestyle

O que eu aprendi sobre botox – e por que (finalmente) aderi

25 de agosto de 2016

Por quase dez anos, eu não entendia exatamente essa famosa cena do primeiro filme Sex and the City, na qual Samantha Jones comparava botox ao casamento – com a conclusão de que o primeiro sempre funcionava! Não conseguia alcançar por que tantas falavam maravilhas e, principalmente, tinha nas minhas crenças pessoais apenas aqueles casos extremos no qual mulheres perdem o limite e viram verdadeiros bonecos de cera sem expressão. E, admito, enquanto eu achava que botox servia apenas para evitar as temidas rugas causadas por marcas de expressão, tinha certeza de que atravessaria minha existência sem jamais experimentar. Até que…

samantha jones botox

Todas as mulheres da minha família, em todas as idades, têm – em níveis níveis de intensidade – a pálpebra direita mais caída. Claro que é algo que piora com a passagem do tempo, mas trata-se de uma questão hereditária que causa a desproporção direta entre os dois olhos. De um tempo pra cá, isso começou a me incomodar MUITO, mas eu sempre tive medo de (já) encarar uma cirurgia na região. Foi quando uma prima me contou que vinha consertando o nosso defeitinho de fabricação com botox. Fiquei com isso na cabeça e levei a dúvida para minha dermatolgista na visita anual. Pois no mesmo dia aplicamos a dose!

botox ale garattoni

E o antes e depois, que mostro neste post, superou todas as minhas expectativas. Como tinha contado neste teaser lá na página do Facebook, eu sigo contra exageros em busca de uma inatingível perfeição. Mas, por outro lado, acredito que sempre vale a pena contar com algo que vá melhorar sua auto-estima e fazer você se sentir melhor. A aplicação levanta-pálpebras {minha dermato me “abriu os olhos”, literalmente!}, mais do que resolver minha desproporção incômoda, me deixou com aparência mais descansada. Não vivo mais sem!

antes e depois botox pálpebras

Sobre o tema botox, divido cinco dicas do que aprendi…

1) Por mais simples e difundida que seja este técnica hoje em dia, não dá para banalizar, é um procedimento: busque um bom médico de confiança que trabalhe com bons materiais, não faça em qualquer lugar.

2) O profissional, aliás, é um ótimo termômetro: não dá para confiar que a pessoa vá te proteger de exageros quando ela própria passou do ponto (e eu recomendo fortemente alguém que te proteja de exageros, porque o primeiro resultado é tão empolgante que a gente corre o risco de querer fazer sempre).

3) O resultado leva duas semanas para aparecer, tenha paciência! A ansiedade pode fazer parecer que é preciso aplicar mais, mas segure a onda; muitos exageros acontecem por isso.

4) A melhor definição que já li sobre botox é uma comparação da pele com roupa amassada – o botox não é um ferro de passar que tira o amassado, ele apenas é uma técnica que não deixa que amarrote.

5) Sim, além dos tão comentados objetivos de paralisar a expressão que causa rugas (como as da testa e a super comum entre sobrancelhas), o botox pode ser ótima pedida para levantar um pouco pálpebras e, assim, evitar a necessidade de cirurgias para quem (como eu) se incomoda com isso.

Em tempo: fiz meu botox com a dra. Renata Oshiro, dermatologista que há exatos quatro anos é a pessoa que cuida de tudo na minha pele – e que me preparou/prepara muito bem para esta minha “chegada aos 40”! A TRE Dermatologia {sobre a qual já escrevi algumas vezes e que tem também a melhor limpeza de pele do mundo} fica em SP e o telefone é (11) 3845-4477.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

Primeira Pessoa

De repente, 40: agora é pra valer!

4 de agosto de 2016

Lembro que em 2006 fiquei muito animada de fazer 30 anos, contando os dias mesmo. E, veja só, me peguei exatamente na mesma empolgação às vésperas dos 40, falando da nova idade desde janeiro. Tive “crise” (bem entre aspas mesmo) dos 29 e devo dizer que meu ano dos 39 foi um dos mais desafiadores em muitos sentidos, mas a virada de década propriamente dita só me traz alegria e um otimismo parecido com o da agenda de páginas branquinhas que abrimos pós-réveillon. Aniversário é um réveillon particular, aliás, sempre enxerguei assim. E mudar a dezena traz um fôlego do tipo passar fase difícil no videogame. É vitória!

Lembro também que quando viralizou aquele discurso do “Filtro Solar” eu estava nos meus vinte e poucos anos e me reconfortava muito a parte do “as pessoas mais interessantes que conheço não têm ideia do que querem fazer da vida aos 22”. Mas eu julgava um pouco mal o complemento que dizia que “alguns dos mais interessantes seguem sem saber aos 40”. Como assim alguém não sabe o que quer quando já é tão adulto assim, era isso que eu pensava. Lá atrás, ter 40 parecia como uma fase em que só gente muito perdida não tem tudo 100% definido e sob controle.

filtro solar discurso

Eu não me considero perdida, mas tampouco sou tão adulta como eu na época imaginava que alguém de 40 anos invariavelmente seria. Tenho experiências, gosto do que faço e estou bem satisfeita com a caminhada até aqui, mas estou longe de saber o que e como será todo o resto da minha vida. Ainda posso (e provavelmente vou!) mudar de ideia, tal e qual eu fazia aos 25. Ainda posso – e certamente vou – errar, tropeçar e dar com a cara na porta, tal e qual eu fiz aos 30. Já tiquei muitas linhas da planilha de metas, é verdade, mas ela, a planilha, nunca para de ganhar novas abas.

Sou menos reativa, menos ansiosa e menos mimada do que era na casa dos 20, mas tenho certeza que ainda faltam muitos pontos nesse boletim de vida. Não cometo aqueles mesmos erros impulsivos de dez anos atrás nem me chateio com o que me incomoda, como era em 2010, mas sigo certa de que ainda tenho muito, muito o que aprender.

40 anos
imagem bola 40’s via Shutterstock

Por outro lado, se não consegui um monte de coisa que eu dava como certa, dou conta de situações que nunca imaginaria conseguir. E mesmo com tantas tarefas ainda não-concluídas vejo que sou capaz de forças, evoluções, decisões e responsabilidades que nem sonhava assumir. Os 40 surpreendem pra mais e pra menos, afinal!

Chegando aqui no andar dos 40, eu vejo que ele não é tão alto – e maduro – como parecia ser visto lá de baixo.

O que vale, ao menos na minha concepção de aniversário, é saber que não somos os mesmos de um ano atrás. É enxergar que não estamos mais no mesmo lugar. É perceber que doze meses serviram para alguma coisa. Passar de ano, ainda que seja com a média ali raspando, como foi com Física na oitava série. Quando fiz 30 eu escrevi no blog da época sobre maturidade, sabedoria e leveza {trecho abaixo}… como somos pretensiosos aos 30! Eu não sabia que eu não sabia nada sobre isso naquela época. Mas agora eu sei – sei que aos 40 ainda há muito o que se caminhar até esse tal domínio de existência! Que venha a nova década…

ale garattoni 2006

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…