ALE GARATTONI

Mãe da Maria Helena, empreendedora e apaixonada por moda e beleza! Aqui é o espaço no qual divido minhas inspirações, minhas referências de branding e minha vida "primeira pessoa" na maternidade.

Lifestyle

Revival It: nem tudo que tem dois Cs é uma 2.55!

26 de novembro de 2011

(post originalmente publicado no ItGirls 1ª fase em julho de 2009)

Bolsa mais falada da atualidade, a Chanel 2.55 gera dúvidas, mal-entendidos e confusões. Muitas confusões! Tem muita gente boa que não pode ver dois Cezinhos juntos que já batiza o modelo em questão com o comentadíssimo título. Se for matelassada e tiver alça de corrente então… sem chances de ganhar nome diferente! O mais curioso? Em mais de 90% dos casos, a bolsa NÃO é uma 2.55. Eis um dossiê-tira-dúvidas definitivo!

Leitores fieis do ItGirls leram na 1ª fase a historinha da criação do modelo, que, como diz seu nome original de batismo, foi lançado por Coco em fevereiro de 1955. No começo dos anos 80, o então novo diretor criativo da grife (que atende pelo nome de Karl Lagerfeld!) resolveu dar cara nova ao tal modelo-ícone: ele introduziu o fecho com os dois Cs, entrelaçou a alça de correntes com couro e, voila?, colocou nas prateleiras o Classic Flap – que, desde então, se tornou o mais-mais da Chanel. Bônus – veja abaixo as versões mais clássicas da Classic Flap, em caviar (mais áspera e com maior durabilidade, boa para usar no dia-a-dia) ou lambskin (mais lisinha e delicada, ideal para usar apenas em ocasiões especiais).

Chanel caviar e lambskin

Mas a verdade é que tradição sempre vende bem e Lagerfeld sabe disso. Por essa razão, em 2005 – no 50º aniversário da 2.55 versão original -, o estilista relançou a bolsa com o fecho Mademoiselle (retangular) no lugar dos 2 Cs e a alça de correntes puras, sem couro. O modelo, uma reprodução fiel da criação de Coco Chanel, ganhou o nome de Reissue. Atualmente, tanto a Classic Flap quanto a Reissue fazem parte de todas as coleções da marca, ganhando versões em cores, materiais e acabamentos diferentes a cada temporada.

Chanel flaps

Sim, levando ao pé da letra, 2.55 é apenas a bolsa antiga – que hoje só pode ser encontrada mesmo nos closets das vovós mais chiques! As bolsas deste modelo que são vistas nos dias atuais são, em sua grande maioria, Classic Flaps – e, numa proporção menor, Reissues. Mas os mal-entendidos não param por aí. Embora nenhum modelo tenha a popularidade das versões Classic Flap-Reissue-2.55, há, sim, vários outros nas prateleiras da grife – e geralmente eles se baseiam nos mesmos ícones Chanel, como matelassé, correntes…

Chanel Accordion

Também na categoria Flaps (foto acima), há o Accordion e o Surpique – este lembra muito o Reissue, mas tem as costuras mais marcadas como uma de suas leves diferenças. A “família” Surpique, vale dizer, tem também versões não-flap. Outros modelos clássicos e delicados? Camera Case (às vezes confundido com uma Classic Flap, embora seja beeem diferente) e Kelly, ambos com o trabalho do matelassé como principal característica.

Chanel Camera Case

Quase (apenas quase!) tão famosas como as Flaps são as versões Tote – bolsas tipo saco. Há, nesta categoria, três modelos clássicos: Shopping, Medallion e Cambon (update 2011: há também a Timeless Tote, parecida com a Shopping Tote, mas mais fechada que ela). Apesar de seguir um mesmo conceito, o trio tem diferenças sutis que conseguem agradar a todos os gostos. Com tanta variedade, é difícil não querer (ao menos) uma destas clássicas no closet, não?!

Chanel totes

p.s. peço perdão pelas fotos e montagens beeem tosquinhas e com essa marca d’água horrível!! Cruz em credo, é sério que eu quis proteger ISSO de cópia?! hihihi

créditos das imagens: site Chanel & Purse Forum

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

< >
SIGA @ALEGARATTONI