ALE GARATTONI

Carioca em SP, leonina, mãe da MH. Este blog é o meu hobby-recreio e aqui você vai ler posts que agradam aos olhos, à mente, à energia. Com beleza, suspiros e leveza! Cuide de sua alma e inspire-se, para ser & fazer melhor.

Amo Branding

Para blogueiros: o futuro da comercialização de blogs

1 de fevereiro de 2015

Abri meu primeiro blog em 2004, numa época em que ninguém, nem na mais otimista das previsões, poderia imaginar que estas páginas pessoais poderiam, um dia, render dinheiro de verdade para seus autores. Vivi online, na época com meu terceiro blog (o ItGirls), o ponto exato da mudança de puro hobby para negócio de verdade. Admito que me assustei: tinha criado o It exatamente porque – trabalhando em veículos de moda – sonhava em ter um espaço no qual eu pudesse publicar somente o que eu queria, sem nenhuma intervenção do departamento comercial me dizendo que eu deveria escrever sobre isso ou aquilo (sim, em meados da década passada, a prática do publi, muitas vezes NÃO sinalizado, já era praxe em sites e revistas grandes).

por que blogar
blogar = compartilhar, conectar, criar, inspirar…

Os blogs evoluíram. Merecidamente para quem trabalha de verdade (dá trabalho mesmo, viu?!), as cifras começaram a recompensar. O lado B é que o mercado começou a atrair muita gente que surgia APENAS pelo resultado, mas, sinceramente, acredito que esse é um reflexo super normal e compreensível – vivi a época em que todas queriam ser paquitas, a fase em que todas queriam ser top models e achei pra lá de natural o movimento de todas querendo ser blogueiras (isso acontece com qualquer área em evidência, com casos bem-sucedidos inspiradores que muitas vezes mostram mais os bônus do que os ônus e dificuldades atrelados). Mas me lembro de um papo que tive com amigas blogueiras há uns três anos, fase em que talvez o negócio tenha chegado ao ápice: eu enxergava a possibilidade de uma explosão da bolha, tal e qual havia acontecido com a própria internet na virada do século.
{para quem não viveu de perto esta época, momento wikipedia explica um pouco sobre os parâmetros exagerados e o efeito de quando se descobriu isso!}

Toda essa introdução é para falar da matéria que foi publicada hoje na Folha de S. Paulo sobre o futuro da comercialização dos blogs. Ela faz um contraponto muito interessante ao texto publicado na revista Glamour deste mês, que diz que blogueiras iniciantes ganham R$ 5 mil por um publipost e até R$ 15 mil por uma presença em evento – as cifras das tops evidentemente são ainda mais recheadas. Realmente há meninas que fazem muito, muito dinheiro, mas, como em qualquer mercado, elas são a exceção e não a regra. E não conheço casos de quem já começa o negócio com valores tão elevados, mas são estas expectativas que fazem muita gente escrever o mídia kit antes mesmo de escrever o primeiro post. Como diz a ótima carta da editora na mesma edição da Glamour, não há sucesso sem mérito, então é importante saber que, nos blogs e em qualquer profissão, apenas a combinação trabalho duro + persistência + uma dose de sorte te leva ao topo do mercado.

justrealmoms Folha SP
Re e Ju, do ótimo Just Real Moms, na capa da matéria da Folha de S.Paulo

Voltando à matéria da Folha, motivo deste post todo (é meu defeito ser prolixa quando um assunto me desperta interesse!), ela dá a entender que os preços da publicidade em blog começam a recuar. Que, de fato, havia uma supervalorização e que a própria maior concorrência passa a encolher valores superlativos. E toca no ponto que mais chamou minha atenção: “Blogueiros conseguem faturar com produtos, palestras e consultoria após atrair base fiel de leitores (mesmo que não sejam milhões)”, ideia com a qual eu não apenas concordo, mas sou a prova viva. Eu realmente vejo um novo começo de era e, nesta nova era, a paixão por blogar volta a ter a importância que tinha lá atrás. E, que como eu sempre preguei nos meus textos, a função vitrine do blog passa a ser muito mais importante do que qualquer outra.

A conclusão final? Se você ama escrever, se tem vontade de compartilhar o que gosta e se quer tirar proveito da maravilhosa lente de aumento que a internet pode dar ao seu trabalho, ter um blog faz mais sentido que nunca (cinco motivos para fazer o seu já!). Se é esperto, pode transformar números reais em pessoas e, com esta base, vender o que sabe fazer de verdade (saiba como enxergar a força e a importância dos seus seguidores REAIS). Mas se o único intuito é ganhar dinheiro fácil e rápido, talvez deva considerar outro tipo de negócio!

blogar

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER…

  1. Maki Em 01/02/2015

    Alê, sendo muito sincera: comecei um blog do zero (ou melhor, recomecei!) justamente porque o meu blog antigo, que tinha anos e anos de vidinha online, não me dava nenhum retorno e essa falta de retorno (financeiro, diga-se de passagem), começou a desanimar e muito. Eu comecei a blogar por pura obrigação e deixei o amor por isso de lado. Recomecei para recobrar o meu amor pela internet e por ter o meu espaço para falar o que eu quero, da forma como eu quero. Se me der algum bônus, que ótimo! Se não, que me sirva de portfólio, de cartão de visitas, de hobby… do que me der na telha!




  2. Vanessa Rosseto Em 02/02/2015

    Pois é! Eu me encontro na mesma situação q a blogueira de cima! ahahah Eu tinha um blog que fiz na época da faculdade de jornalismo.. Eu fiz jornalismo somente pq quero trabalhar com jornalismo de moda. Sério! ahahahah Até cheguei a ganhar dinheiro através do blog sendo contratada pra cobrir uns eventos.. o q de fato me deu muito ânimo na época! Mas não era nada constante. Passei de um trabalho para o outro e para o outro e ano retrasado fiquei completamente sem tempo e abandonei o blog. Esse ano resolvi ressuscitá-lo. Descobri que tinha sido hackeado por um site Japonês! :O Agora recomecei do zero zero mesmo, só escrevi 2 posts até agora e vamos ver no que vai dar. Eu infelizmente não consigo entender todo o processo marketeiro para conseguir projetar meu blog, principalmente sendo sozinha e não tendo equipe como a maioria das ubere blogueiras tem. Eu sou apresentadora atualmente e tudo q eu queria era poder postar vídeos incríveis no meu blog, mas minha capacidade de gravar e editar vídeos de boa qualidade são mt reduzidas. Sendo a boa virginiana que sou, prefiro não fazer a fazer mal feito. É um mercado complicado e ao mesmo tempo de sonho. Além de tudo isso a gente vê por aí tanta gente escrevendo abobrinha e super faturando! hahaha chega ser engraçado! Vai entender! Tem hora q eu desanimo, mas foi como a Maki disse… Ao menos eu estou fazendo pra mim, criando um portfolio de textos… e se um dia eu precisar mostrar pra alguém. Ta lá! ( Se não hackearem de novo né! ¬¬) Ale, vc me inspira muito, desde a época do It! Quero muito ir no seu workshop dia 5 de março mas não estarei no Brasil. No próximo espero estar! Beijos, Vanessa.




  3. gabriela Em 02/02/2015

    Alê, eu tenho a maior admiração por você. Tenho vários textos teus na pasta de favoritos e gosto do teu discurso. No entanto, hoje algo estranho (pra alguém caxias no que tange questões éticas) aconteceu. Vc comentou escrevia no It para não sofrer nenhuma intervenção do departamento comercial te dizendo que vc deveria escrever sobre isso ou aquilo e completa: ´sim, em meados da década passada, a prática do publi, muitas vezes NÃO sinalizado, já era praxe em sites e revistas grandes´.

    Sendo notório onde vc trabalha, qual a revista, não seria um pouco anti-ético soltar essa informação?

    Me perdoa se eu estiver vendo pêlo em ovo. É que na minha cabeça uma revista onde isso não poderia acontecer é exatamente na que vc trabalhou (sobretudo se levarmos em conta o que a direto da tal revista costuma defender em suas entrevistas) e depois dessa informação confesso que minha ideia sobre a revista mudou consideravelmente.

    Tomei essa liberdade pq sei que vc gosta de um debate margeado pela boa educação, mas se não quiser publicar meu comentário tudo bem.

    Abraços.

    Oi Gabriela,
    obrigada por expor de forma educada sua opinião!
    Não acredito que seja não-ético falar disso hoje porque:
    1) a revista na qual trabalhei (fixa, não como colaboradora!) nem existe mais!
    2) hoje as próprias revistas assumem suas ligações comerciais diretas e indiretas, isso não é mais tabu no mercado, todo mundo entende e assume que uma publicação tem contas a pagar!
    Enfim, não há veículo hoje que vive sem ligação comercial, seja em espaço publicitário e/ou em relacionamentos. Não há uma ÚNICA revista hoje que escape disso e já há alguns anos isso não é mais algo obscuro, ao contrário, é bem entendido pelo mercado!
    Se fosse um “segredo” ou algo do gênero, eu jamais exporia! ;-))
    bjobjo




  4. vanessa sapiro Em 02/02/2015

    Oi Ale

    Concordo com você! Tenho um ótimo blog/site com dicas de passeios para as crianças, que hoje tem muitas visitas e participação chamado Valekids. Há 4 anos faço com muita dedicação e se fosse essa minha meta de somente ganhar com certeza já teria desistido.

    Ouço tanta coisa e sei que metade é irreal.

    Abraços Vanessa




  5. Andrea Pavlovitsch Em 04/02/2015

    Eu comecei a blogar em 2002. Ainda tinha que fazer tudo em HTML e fui aprender. Inventei um blog para gordinhos (que hoje bomba como plus size), um site sobre mistisismo (que ainda hoje dá muito dinheiro) e depois o Minissaia (que falava sobre moda no meio de um monte de outras coisas). Na época isso era só um hobby. E mesmo alguma coisa dizend dentro de mim que aquilo poderia ser sério eu ouvi o “vai arrumar um emprego ego de verdade” e desisti de tudo. Não confiei no meu taco e nme na minha real e paixão por escrever e compatilhar isso e por isso hojE, estou correndo atrás do meu sonho. Não espero ganhar milhões, nem ganhar os tais 95 mil por publi + insta + palestra, mas Concordo que é só uma mudança. Novas formas de ganahr dinheiro vào aparecer e a peneira do mercado e dos verdadeiros talentos vai ficar mais fina. Só isso. Se você gosta de algo, faça pela coisa e o dinheiro será consequencia




  6. Dani Fuller Em 08/02/2015

    Também comecei na era dos blogs anos atrás… eu realmente nem tinha noção de nada e era mais minha paixão em escrever que fez isso. Eu já percebia depois que dava para ganhar com blogs, mas eu acabava me sabotando. Não sei explicar o que acontecia (e acontece), mas depois de um tempo as ideias simplesmente param e o que acho mais importante é quando podemos ajudar outras pessoas com nosso trabalho.

    Infelizmente o que vemos mais (e que ganhou mais espaço) foram os oportunistas. Apesar de ter gente boa sim e que merecidamente foram reconhecidos, bem proporcional temos os outros que até com a ajuda e copiando trabalho alheio também subiram e ficou por isso mesmo.

    Não sou famosa e não ganho muito com blogs, mas é o que faço com o maior prazer. Algumas vezes me revolto rs, mas não conseguiria largar nunca… só se a internet acabar 😉

    Ótimo post!




  7. Vi Furrati Em 02/03/2015

    Não sei de onde a reportagem tirou esses valores ou qual o conceito deles de blogueiras iniciantes… se uma atriz da Globo resolver virar blogueira ela até consegue isso no início do blog, mas pessoas “normais” tem tipo 1% de chance de ALGUM DIA chegar a uma cifra dessas.




  8. Tamires Em 13/04/2015

    Nossa to amando mesmo seus posts , amei o conteudo ! e ja foi pro meus favoritos.
    Ja criei varios blogs ,ma peguei gosto mesmo ano passado onde gosto de registrar tudo ainda mais depois que ganei minha filha ! Meu blog ainda e muito pequeno mas e o que amo e se Deus quizer futuramente pode gerar lucros !

    Beijos




Deixe seu Comentário