Cinco lições de branding para pequenos negócios

por Alessandra Garattoni em 22 de outubro de 2014
tags: , ,

Pode ser um consultório, uma pequena empresa, um escritório de serviços, um e-commerce: todos os pequenos negócios precisam criar e fortalecer uma marca própria para ter destaque em sua área. Devemos apagar aquela ideia de que, pra crescer e aparecer, é preciso fazer um evento para 500 pessoas, gastar no mínimo 50 mil reais em Google Ads ou investir fortunas num projeto audacioso (convenhamos, que pequena empresa tem fôlego pra esses investimentos propostos por muitas consultorias?!). O mais eficiente – e com resultados mais imediatos –, muitas vezes, está no mais simples e no mais acessível. Não dizem que Deus está nos detalhes?! Eis cinco palavrinhas para prestar atenção na hora de cuidar da sua marca…

branding para pequenos negócios

FOCO
Um ou, no máximo, dois. Seu negócio deve ter foco(s) bem, bem definidos na hora de se apresentar como marca. Nichos bem específicos aumentam a chance de conquistar um título de especialista naquele universo – o que, sem dúvidas, garante um posto quase à prova de concorrência.

EXCELÊNCIA
Uns mais, uns menos, mas me arrisco a dizer que TODOS os mercados são concorridos hoje em dia. E, nesse mar de concorrência, não existe mais espaço para amadorismo. Buscar a perfeição como meta é ponto de partida para uma marca forte – uma boa inspiração é a história do japonês Jiro (#amo!), que você lê neste post aqui.

REFERÊNCIAS
Sem saber exatamente qual marca você quer comunicar para seu negócio? Busque inspirações, referências, nomes e exemplos que você admira. Não para copiar, mas para entender o que é prioridade para você, quais os seus valores e que caminho de fato te representa.

CONSULTORIA ESPONTÂNEA
Muitas vezes, seu melhor produto surge quando você se dispõe a ouvir, de verdade, seu cliente em potencial. O consumidor sabe o que quer consumir e, por isso, muitas vezes ele é seu melhor consultor!

MARCA PESSOAL
O branding pessoa física está longe, muito longe, de se limitar a uma questão física de aparência e estilo – embora tudo conte no placar final, claro! O que você fala, como fala, suas opiniões e sua presença online precisam ser coerentes com todo o resto. Lembre sempre que ações contam mais do que palavras na hora de comunicar uma marca.

NOTÍCIAS SOBRE OS WORKSHOPS AG BRANDING…
* Em São Paulo, a última edição do ano acontece neste sábado (25.10). Consegui, aos 45 do segundo tempo (!!!), algumas vagas extras na turma – que terá agora até 35 participantes – e as últimas estão disponíveis para incrições até amanhã (23.10). Mande seu e-mail para inc@alegarattoni.com.br e garanta uma delas!

* No Rio, estou reunindo indicações de lugares possíveis e, na próxima semana, vou em busca disso. Se tudo der certo, organizarei uma turma carioca no fim de novembro.

* Em 2015, novos temas e novas edições estão nos planos. Também vou adorar levar para mais cidades e estudo a possibilidade de disponibilizar a opção de transmissão online para quem está longe. Aguardem!

Imagem lastquest via photopin cc



Você vai gostar também...


Palavra de especialista: cinco fatores na busca da escola

por Alessandra Garattoni em 21 de outubro de 2014
tags:

Na primeira turma do meu workshop de branding (aliás, tá chegando o dia da segunda edição, eba!), conheci algumas ideias de negócios MUITO legais – aliás, a diversidade de profissões e carreiras que forma minhas turmas é a parte mais rica, estou amando conhecer estas novas pequenas empresas e profissionais liberais. Um dos conceitos que mais me chamou a atenção foi o criado pela psicóloga Flavia Chi. Ela oferece atendimento para mães e crianças em domicílio, adaptando o trabalho necessário à rotina daquela casa, vivendo de perto o ambiente onde as situações se apresentam. No cardápio de serviços – todos com base na psicologia cognitiva –, há desde acompanhamento das fases do pré-natal e pós-parto até consultorias voltadas para sono infantil e época de alfabetização, apenas para citar alguns. Daqui do meu posto de mãe, me apaixonei pelo trabalho da Flavia e estava doida para contar sobre seu projeto De Noiva a Mãe por aqui.

Então surgiu este meu post sobre a busca da escola e veio a ideia de ouvir também as palavras de uma especialista. A psicóloga, que atende mães em diferentes fases de escolhas e decisões, me parecia uma das melhores fontes para completar meus pensamentos. O que privilegiar? O que observar? O que prestar atenção durante a busca? Flavia elegeu cinco fatores que com certeza ajudarão a todas que, como eu, estão em busca da melhor educação infantil…

Flavia Chi

O LADO “LEGAL”
“Muitos pais esquecem de verificar se a instituição tem autorização de funcionamento expedida pela Secretaria Municipal de Educação”, diz Flavia. Observar se a escola obedece as diretrizes educacionais traçadas pelo MEC e se o alvará sanitário está em dia e afixado em lugar visível também deve ser um ponto de partida.

RELACIONAMENTO COM OS PAIS
Permissão da entrada dos pais em qualquer horário, reuniões periódicas e relatórios sobre a evolução da criança são fatores importantes no processo.

PROPOSTA PEDAGÓGICA
A melhor proposta? “Não existe uma recomendação específica, a escolha deve levar em consideração os valores da família, as expectativas dos pais em relação à formação do filho e os objetivos educacionais a longo prazo.” Ainda assim, Flavia enumera pontos importantes no papel da (boa) escola: ouvir e valorizar as crianças, atender à diversidade, construir autonomia intelectual, favorecer a interação, respeitar os ritmos diferentes e organizar o tempo. O foco na alfabetização também deve ser observado com muita atenção: “Uma criança com déficit na alfabetização terá um problema acadêmico para toda a vida”, explica.

NÚMERO DE PROFESSORES POR TURMA
Flavia conta que o Conselho Nacional de Educação orienta limites de oito crianças por educador (até os dois anos de idade); quinze crianças por educador (aos três anos); vinte crianças por educador (entre quatro e cinco anos). Esta relação influencia a importantíssima questão da segurança, fundamental para que o ambiente seja rico para o aprendizado.

MATERIAIS PEDAGÓGICOS
Do mobiliário adequado – que favoreça inclusive a autonomia – aos materiais corretos que estimulem a criatividade, passando pela variedade de livros acessíveis aos pequenos, cada detalhe conta no processo.

CONCLUSÃO
Observações técnicas e teorias à parte, Flavia nos encoraja a buscar a escola que nos passa confiança: “A criança deve estar, acima de tudo, feliz e confortável”. Segundo ela, observar o comportamento e as reações da criança certamente ajuda a avaliar constantemente a escolha feita. “Os primeiros anos da vida de uma criança são vitais, é nesta fase que se deve estabelecer bases sólidas para o desenvolvimento cognitivo e emocional adequado.” No mais, entenda que a parceria escola-família é fundamental, sempre. E boa decisão pra todos nós!

Para conhecer melhor o trabalho de psicologia desenvolvido pela Flavia, clique já no De Noiva a Mãe!

imagem: De Noiva a Mãe



Você vai gostar também...


Lição eterna do mestre da elegância, Oscar de la Renta

por Alessandra Garattoni em 21 de outubro de 2014
tags:

Oscar de la Renta

“Você não nasce com estilo… é algo que você aprende. Mas requer disciplina. Se olhe no espelho, compreenda a si mesma e projete uma imagem de quem você acha que é – aplique isso na forma como você vive. Você tem que fazer isso por você mesma, e fazer todo dia. Glamour está no seu cérebro, não nos seus olhos.”
Oscar De La Renta
(1932 – 2014)



Você vai gostar também...