Seis desejos de consumo no instagram

por Alessandra Garattoni em 4 de março de 2015
tags: ,

De roupas e acessórios a livros, de produtos de beleza a coisas para casa e decoração, eu sou a rainha do print screen no instagram (quem também sente um mix de amor e ódio pelos impulsos consumistas que esta mídia AINDA nos causa?!)! Nos meus últimos cliques de tela, destaque para seis paixões!

instagram
do instagram @nkstore, o pretinho básico que foi usado pela jornalista Poliana Abritta no último Fantástico (obrigada meninas do meu Facebook que me ajudaram a achar o crédito certo!)

instagram
do instagram @yas_biquinis, a nova estampa na modelagem clássica da marca carioca

instagram
do instagram @anabeatrizbarrosofficial, a Elle brasileira deste mês de março, uma homenagem ao Rio e uma das capas que mais curti nos últimos tempos

instagram
do instagram @mariesrobedenuit, a dupla camisola + robe de uma das marcas de roupas para dormir que mais tenho amado ultimamente

instagram
do instagram @minduim, um dos maravilhosos registros do Rio do fotógrafo que faz venda especial durante exposição em homenagem à cidade

instagram
do instagram @matranchesi, as bolsas-balde coloridas da recém-lançada coleção da Daslu



Você vai gostar também...


Dez coisas que aprendi sobre a {minha} gravidez

por Alessandra Garattoni em 4 de março de 2015
tags: ,

Provavelmente já escrevi muitas vezes que amei ficar grávida e que, sim, sou do tipo que morre de saudade do barrigão – talvez, em parte, porque meu lado leonino amava aquele status de mimo permanente do mundo inteiro. Nem todas as mulheres curtem estes nove meses, ainda há aquelas que, se pudessem, pulariam a fase de gestação, mas uma coisa é fato: ninguém sai deste período do mesmo modo que entrou, a transformação é muito mais do que física. E entre os aprendizados e percepções, compartilho dez coisas, de comportamentos a futilidades, que eu aprendi sobre a gravidez {a minha, mais especificamente!}…

gravidez Ale Garattoni

1) HORMÔNIOS MUDAM ATÉ O TEMPERAMENTO
Sim, tem a fase da sensibilidade aguçada e também o momento de dias de fúria. Mas eu fiquei mais zen do que jamais imaginaria poder ser. Claro que havia um quê racional de querer manter paz para meu bebê, mas existiu um algo mais automático quase inexplicável.

2) NESTE ASSUNTO TODO MUNDO TEM OPINIÕES. FORTES!
Você pode comer isso?”, “Sabia que é preciso fazer aquilo?”, “Ahh, na minha gravidez eu…”. Barriga é chamariz de conselho não-solicitado, vindo de íntimos e também de semi-estranhos. Muitos com ótimas intenções, outros tantos sem o menor bom senso. E (quase) todas as opiniões são radicais, inflamadas e com foco no total convencimento alheio. Tem que saber lidar, de preferência sem perder o humor nem a segurança nos seus próprios valores e ideais, senão a gente pira!

3) A DRENAGEM É A MELHOR AMIGA DA GRÁVIDA
Demorei muito para aderir {comecei lá pelo sétimo mês, porque não inchei e achava desnecessário – além de me parecer algo meio entediante}. Descobri que aquela horinha desligada do mundo drena o corpo e a alma. Procurar uma profissional com experiência em gestantes e ter aprovação prévia do obstetra, óbvio, são condições indispensáveis.

4) CADA GRAVIDEZ, UMA GRAVIDEZ
Como mãe de filha única, nem posso afirmar isso com tanta certeza. Mas algo me diz que nem mesmo uma mesma mulher repete experiências na íntegra em gravidezes diferentes. Que dirá uma mulher diferente (e isso explica por que o item 2 desta lista nem deveria ser uma questão)!

5) É MAIS FÁCIL DO QUE SE IMAGINA CORTAR VÍCIOS ALIMENTARES
Se eu pude cortar Coca-Cola e BigMac, qualquer pessoa pode cortar qualquer coisa! E nem foi tão sofrido assim, viu?! Ah, e o paladar acaba se alterando pra sempre em alguns casos – me reapeguei à Coca-Cola, mas raramente entro em Mc Donald’s hoje em dia (antes não passava uma semana sem).

6) A PRIORIDADE DE GRÁVIDA É UMA DELÍCIA
Só tive coragem de usar meu direito com uns cinco, seis meses de gravidez – antes, quase sem barriga, tinha medo de ser xingada! Mas foi tão bom renovar a carteira de motorista e ir ao Outback com ‘passe vip’… #MeuLadoLeonino

7) O MUNDO SORRI MAIS PARA GRÁVIDAS
Com bebês e crianças pequenas ainda existe essa empatia extra, mas nada se compara à gravidez. Claro que ainda há os mal-educados, mas a impressão que dá é que o mundo passa a ter mais boa vontade com você.

8) É DIFÍCIL NÃO TER NENHUM MEDINHO HIPOCONDRÍACO
Não sou parâmetro – tenho pânico até do que pode estar por trás de uma unha quebrada. Mas véspera de consulta/ultra era dia de enfileirar promessas pra dar tudo certo. Mesmo com uma gravidez super tranquila, rezei mais terços que as carmelitas descalças! E soube que até as amigas cucas-frescas ficavam tensas para saber se tudo ia bem (isso é provavelmente mais acentuado em primeiras gravidezes).

9) EMPATIA COM O OBSTETRA É FUNDAMENTAL
O santo tem que bater, em bom português. Ter confiança e se sentir à vontade incluídos no pacote-prioridade. Um profissional que te complemente – muitas vezes exatamente pelas diferenças – ajuda. Eu, que sou hipocondríaca, tirei a sorte grande de ter uma obstetra prática, objetiva e nada melosa (sabia que se fosse algo sério ela me daria a atenção necessária, mas gostava do fato de que ela não me deixava viver medos imaginários).

10) A GENTE PASSA A PRÓPRIA VIDA A LIMPO EM NOVE MESES
Dá mais vontade de estar junto daqueles que você ama de verdade, vêm as lembranças da sua própria infância, tudo aquilo que parecia prioridade meio que passa por uma prova. Psicólogos que me leem talvez tenham um nome mais apropriado para o que eu chamo de revisão de desejos, nostalgia aguda e um quê de carência do bem!

E você?! Também se surpreendeu com alguma mudança de foco ou sentiu uma alteração mais radical na gravidez?



Você vai gostar também...


Pot-pourri: mulheres que nos inspiram

por Alessandra Garattoni em 3 de março de 2015
tags: ,

E se março é, oficialmente, o nosso mês, nada mais apropriado que começar a semana com um pot-pourri de posts sobre mulheres que nos inspiram – no estilo, no comportamento, nas lições deixadas, na carreira construída, na veia empreendedora, no branding pessoal… Eis a minha homenagem a dez mulheres que nos representam bem no dia 8 de março e nos inspiram o ano todo!

LC

Lauren Conrad e sua aula de branding pessoal…

Olivia Chantecaille e o empreendedorismo no mercado de beleza…

Alexandra Chemla e o poder das moças no universo da arte…

Juliana Mattoni e o ofício de assessorar as mulheres mais famosas do Brasil…

Renata Piza e sua trajetória de sucesso no jornalismo de moda…

Olivia Palermo e sua incomparável aula de estilo pessoal…

Wanda Borges e seus vestidos de casamento em um ateliê de sonhos…

Coco Chanel e seu exemplo de um ótimo branding antes mesmo que soubéssemos o nome disso…

Maria Duenas Jacobs e seu talento para musa {e radar incomparável} de ótimos acessórios…

Emily Weiss e sua história – bem – antes do blog e do empreendedorismo digital de sucesso…



Você vai gostar também...